MÁQUINA DE VOAR

 

 

Aqui e agora, uma odisséia no espaço sideral carioca! Monolitos ita pedra, relevos curvas gingados, malandragem de primeira linha, cabeçafeitazépilintra da encruzilhada marginal carioca boêmia. A obra de Luiz é como uma máquina do tempo, nos leva - projeta e reporta - para uma ficção científica sobre a nossa realidade. Conceitualcabloco! Antropofágicocariocaleblon! Brasil Brasília Rio, aterro asfalto brita areia luz fogo estrela dia noite. Tensão! O couro esticado do pandeiro, que marca a batida do samba, a um milímetro da faca afiada, segurada por um laço precário, o menor descuido pode rasgar o bucho pele do mundo. Paisagens que se fazem no instante exato em que a violência atinge o auge da sensualidade, um segundo antes da explosão da bala, do gozo capaz de desmanchar a cortina de nebulosas. É tudo no fio da navalha.Olho profundamente um azul coalhado de estrelas e linhas de fugas cósmicas. Me perco no universo de um artista que projeta galáxias através do brilho quartzo de grãos de areia, o infinito dinamite.

 

A obra de Luiz Alphonsus é mesmo máquina de voar, explosão de supernovas criando os metais pesados do universo e todos nós poeira de estrelas deitados sobre o brilho noturno de Copacabana. Sua obra se tece como este livro, através de uma estrutura constelar, cada página é um salto dimensional, um portal que nos leva do aqui agora para outros mundos. Das paisagens brasileiras às paisagens cósmicas. Pra que ordem? Como um astrônomo selvagem, Luiz transborda pensamentos sobre tempo, espaço, forma, recorte, pintura, instalação, fotografia, reapropriação. Uma produção constelar porque também é vasta e diversa como infinidades de astros que se olham, em conversas que vão da zona sul à zona norte ao infinito. Luiz é também cineasta, no seu musical caboclo tropical, Rio de Janeiro - Brasil. Do samba ao futebol, do Flamengo paixão, ao tesão favela e asfalto, a sutil metamorfose de uma cidade que se equilibra entre a malandragem e a marginalidade. Balas que sobraram do meu último assalto.

 

Conheci Luiz Alphonsus, quando ainda diretor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no final dos anos 90. Voei com sua instalação Flutuante, nas cavalariças da EAV. O peso maciço do granito se desdobra em linhas que alçam vôo, se espelhando nas paredes até se condensarem em um ponto. Expansão e condensação, movimentos do universo trazidos para a escala humana, transposição do macro para o micro. No trabalho Túnel, de 1969, a luz cruzando distâncias, o espaço curvo do universo e a simultaneidade de todos os acontecimentos, são a potência inicial que dispara dois grupos de pessoas de um ponto a outro da cidade. Um por cima do morro, outro por dentro dele, atravessando um túnel. O Rio de Janeiro, cidade cravejada de montanhas. O túnel, corte na paisagem que promove outro tempo de fluxo pela cidade. Corte que transforma curva em reta, mato em concreto, tempo dilatado em tempo expresso. Outro corte na montanha é aquele feito na Pedra da Gávea, a interferência arquitetônica de uma cidade que se verticaliza e pede passagem, criando novos rasgos e interposições na paisagem. Mas há ainda a paisagem imaginada, como o horizonte que na fotografia sofre um talho que sangra para se separar e criar uma janela.

 

O tempo não é linha, é arena polidimensional. Em 1970 Luiz Alphonsus reconfigura as dimensões da paisagem experimentando contrações e dilatações,composição e decomposição. Negativo - Positivo. Um buraco na carne da areia da praia. Buraco escuro, dia claro. A explosão do fogo trópico de caos. O buraco iluminado a praia já escura. Trabalho que inverte as polaridades de claro escuro da visão no ambiente da praia. Conceitual tropical. E novamente, o solo carioca se transforma em plataforma de lançamento do ônibus espacial, que nos leva para onde as margens da abstração se chocam com os platôs do conceitualismo. Pálpebras de neblina, íris de meia lua, uma cidade isolada em meio a selva noturna, observada de tocaia e praias arrombadas pela luz da lua. Textos de luz, volume contraste, cor conceito, instrumentos de um artista que sempre riscou, e se arriscou, palavras na tela. Letras em tinta no plano da tela, desenho narrativa, palavra imagem. A obra de Luiz Alphonsus é potência de matéria e antimatéria. O olhar afiado do artista, inebriados pela bebida e pela conversa do boteco, se fixa nos painéis de Nilton Bravo. Arte contemporânea e cultura popular se fundem nas telas a quatro mãos de Luiz com o pintor do subúrbio. O presente é o aqui e o agora que se expõe na tensão da superfície de uma colagem feita com cacos da memória e da imaginação. Tudo é atemporal e estão extintas todas as fronteiras. O vôo do super homem se abre numa cena de bar, carioca, brasileira, a alegria é a prova dos nove. Na mesa de sinuca, as bolas se movimentam como planetas em um sistema solar. O bar moderno - que se apresenta como um futuro do pretérito que quer se presentificar - é um cinema ponte entre o naif e o realismo pós-conceitual da astronomia expressionista pop. Pela lente do fundo de garrafa de cerveja podemos ler o gingado da via láctea. É nessa encruzilhada que jorra o sangue remixado de uma poética cabocla no éter pós-tropical. Nossa identidade local é o pulo da onça para o universal. Suas personagens se encontram na sala de espera de um grande túnel do tempo.

 

 

Ophelia Patricio Arrabal

crítica e curadora de arte 

2018 Luiz Alphonsus/© Copyright Luiz Alphonsus

  • issuu-logo-stacked-black_nobg
  • Facebook - Black Circle
  • Icone Bares